O ensino do agora

Esse mês, a ComC&T começa uma série de matérias que terá como foco: quais artifícios os professores da Escola de Ciências e Tecnologia (ECT) utilizam para ensinar de forma eficaz em salas de aulas grandes, muitas vezes com mais de 100 alunos.

Pensando na construção de um ensino de qualidade, entrevistamos alguns professores que se destacam em suas aulas, seja por utilizar metodologias inovadoras ou seja por sua simpatia e dinâmica.

As metodologias Classe Invertida e Educação por Pares

Essa semana começaremos com um professor que está se destacando por ministrar aulas de uma maneira completamente diferente que a usual, utilizando metodologias trazidas de Harvard somadas ao conhecimento adquirido em sala de aula.

O nosso primeiro entrevistado é o professor Rex Medeiros, um dos docentes responsáveis por Computação Numérica (CN).

Interessado em áreas como Teoria da Informação e Computação Quântica, com um livro escrito sobre esse último tema, Rex trouxe para a sala de aula duas metodologias chamadas Classe Invertida (do inglês: Flipped Classroom) e a Educação por Pares (do inglês: Peer Education). Junto a elas, o docente traz todo seu conhecimento em Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC’s), para auxiliar em seu trabalho.

Para compreendermos melhor o que é cada uma dessas metodologias, uma breve explicação:

Classe Invertida: inverte completamente a estrutura de uma aula normal. A ideia é o aluno absorver conteúdo da disciplina de forma online, ou seja, de qualquer lugar que se tenha internet. Durante as aulas presenciais, esses alunos, que já estudaram a matéria, realizam atividade e tiram dúvidas, de forma a fixar o conteúdo aprendido fora da aula. Mas claro, todo o conteúdo online deve ser disponibilizado pelo professor, podendo ser vídeo aulas, games, pdf’s, etc.

Educação por pares: É um processo onde jovens se agrupam por identificação, educam e informam a eles mesmo. Ouvir e compreender pessoas que são consideradas do mesmo “nível” é um grande artifício para romper barreiras na educação. Nas universidades, esse processo é usado para aprimorar o ensino dentro da sala de aula. Por exemplo, alunos que compreendem a matéria estudada são os mesmos que irão ajudar aqueles com dificuldades. “O professor passa a ser um facilitador e não o detentor de todo o conhecimento”, afirma Rex.

Com a aplicação dessas metodologias, o professor visa facilitar a compreensão de seus alunos, como também consolidar o aprendizado.

Como funciona?

Inicialmente, o professor disponibiliza para os alunos vídeo aulas (feitas por ele), pdf’s e as páginas de livros que devem ser estudadas em um horário extra sala. Em seguida, o professor ministra uma aula presencial sobre a matéria (já que extinguir totalmente a forma de ensino tradicional, neste momento, não é uma opção viável.) Após a aula ministrada, o professor Rex entrega para cada estudante um exercício, com o intuito de consolidar o que foi já estudado. Nesse momento, os alunos têm de 15 a 20 minutos para responder a questão. Passado esse tempo, o professor disponibiliza um código, lido por um app leitor de QR code que guiará o discente para a resposta correta do exercício.

Acabada essa etapa de Flipped Classroom, inicia-se a etapa Peer Education.

Os alunos que acertaram os exercícios, ajudam aos que erraram. Eles tem 20 minutos para discutir a questão e uma segunda rodada de exercício é disponibilizada.

O que se pode observar com isso?

“Quase todos os alunos que não tiveram sucesso na primeira atividade, conseguiram ter êxito na segunda etapa. Isso é um sinal que o ensino foi consolidado e que a matéria foi entendida”, defende o docente.

 

plano de ensino

 

Além

Junto à esses métodos e as TIC’s que lhes dão suporte, o Professor Rex está desenvolvendo também ferramentas que irão ajudar na aplicação de provas e nos estudos em laboratório. Um exemplo interessante é a ferramenta que está sendo desenvolvida por ele para a aplicação de provas. A ferramenta irá, para cada subturma, criar diferentes avaliações, baseadas em bancos

de dados já existentes em um sistema. Assim, cada aluno faz um login e acessa um link, que encaminhará para uma prova, diferente para cada um. As provas quando concluídas vão direto para uma plataforma acessível ao professor que além de corrigir, pode fazer comentários extras nas questões.  

Resultado

Todo esse processo realizado pelo professor pode viabilizar um raio-X da turma ao longo do semestre; o acompanhamento do aluno em “tempo real”; e não será necessário a aplicação da primeira prova para se ter um diagnóstico da turma. Um outro ponto crucial é a animação que os alunos têm ao ter a oportunidade de aprender através de métodos não tradicionais e ferramentas onlines, além deles terem a liberdade de realizar feedbacks tanto do professor como da metodologia. Sim! O professor Rex trabalha com feedbacks e os acha crucial para o desenvolvimento do seu trabalho na dimensão ensino.

Outros professores da ECT também usam os métodos de Sala Invertida e Educação por Pares, uma vez que  encontraram neles uma forma eficiente e eficaz de ensinar seus alunos e garantir um ensino de qualidade, principalmente quando se diz respeito a salas com mais de 100 alunos.

Deixe uma resposta